Por que casais se divorciam?

Atualizado: 14 de jul. de 2021

Entenda as principais razões apontadas por pessoas em processo de divórcio para optarem pelo fim do seu casamento



Livres de estigmas e amarras sociais que dificultavam a decisão de se divorciar, hoje as pessoas se casam e se divorciam na busca incessante por felicidade genuína em suas relações conjugais.

Por valorizarem tanto o amor e a felicidade conjugais as pessoas não se contentam hoje com uma vida de aparências em um relacionamento falido: ao perceberem a quebra irreversível do seu casamento, a opção pelo divórcio se torna uma forma de se permitirem uma nova chance de felicidade em relações vindouras.


Neste sentido, podemos concluir que o casamento é ainda mais valorizado hoje do que há algumas décadas atrás.

Mas o que leva pessoas a constatarem que de fato o seu casamento não tem mais futuro?

Esse artigo apresenta um compilado de algumas das queixas mais comuns apresentadas por quem decide optar pelo divórcio.


  • Falta de capacidade de comunicação:

A falta de capacidade de comunicação aparece entre as queixas mais frequentes.

A capacidade de se comunicar de forma clara e amigável é o alicerce de qualquer relacionamento.

Em relacionamentos conjugais um dos principais erros dos casais é acreditar que o silêncio sobre problemas e questões incômodas é uma boa forma de evitar conflitos.

O que acaba acontecendo, na verdade, é o acúmulo de mágoas por questões não ditas, o que se soma a uma incapacidade crônica de se comunicar, desenvolvida pelo padrão de utilizar durante anos o silêncio política de "resolução" de temas sensíveis para a relação ou mesmo para lidar com pequenos incômodos cotidianos.

Esse cenário é apenas agravado com o passar do tempo, podendo ser sanado com muito esforço em terapia de casais - ou culminar em divórcio.


  • Divisão desigual de tarefas domésticas:

Uma dos motivos mais objetivos que levam ao divórcio é a divisão desigual de tarefas domésticas.

A sobrecarga com as tarefas de cuidado da casa e dos filhos gera desequilíbrio na relação, gerando um sentimento de insatisfação que frequentemente culmina no fim do relacionamento.

Um estudo muito interessante da pesquisadora e psicóloga Gerli Araújo relaciona a falta de desejo sexual de mulheres em relações prolongadas à sobrecarga com as tarefas de cuidado e à divisão desigual das tarefas domésticas.

O ressentimento gerado pela abdicação de uma carreira profissional no caso de mulheres se equipara à pressão de atuar como único ou principal provedor da casa no caso dos homens, alienados do exercício da paternidade por falta de tempo e excesso de cansaço.

O mesmo estudo conclui que os 10% de mulheres que demonstraram manter a libido sexual elevada em relacionamentos prolongados têm apenas um ponto em comum: todas elas fazem parte de relacionamentos nos quais ambas as partes são igualmente responsáveis por prover a casa e pelas tarefas de cuidado desempenhadas em prol da família e do lar.


  • Falta de investimento na relação:

Outra grande queixa apresentada por casais em processo de divórcio é a monotonia da vida conjugal.

A falta de investimento de tempo de qualidade com o parceiro ou parceira acaba resultando em uma rotina burocrática de administração da casa e da família.

O tédio toma o lugar antes ocupado pelo romantismo e por situações agradáveis de convivência.

Com o passar do tempo, o relacionamento, que é como uma planta que precisa de manutenção constante para prosperar e criar raízes, acaba murcho e sem vida.

Nesses casos o divórcio se manifesta como uma possibilidade de recomeço.


  • Crise financeira:

A administração financeira conjunta é um ponto central de qualquer casamento, mesmo entre as pessoas que optam pelo regime da separação total de bens.

A forma como o casal se organiza e lida com as suas finanças, saber se um depende financeiramente do outro, tudo isso é muito importante para determinar a saúde de um casamento.

Com a pandemia e a crise econômica que decorreu dela, o tema do dinheiro voltou a ser uma das principais causas apontadas por casais para a sua decisão de se divorciarem.

A verdade, no entanto, é que mesmo em situações sociais normais a saúde financeira de um casal é sempre crucial no processo de determinar a continuidade ou a ruptura do casamento.


  • Outros motivos:

Outros motivos frequentemente apontados como causa para o fim de um casamento são a falta (ou excesso) de concessões ao longo do tempo, falta (ou divergência) de planos de vida comuns futuros, desinteresse sexual e o esvaziamento de outras relações sociais ao longo da união.


  • Traição: uma causa comum para o divórcio?

Neste cenário a traição aparece mais como uma consequência da falência do casamento do que como motivo principal apontado para o divórcio.

A falta de comunicação, de cuidado e de parceria em uma relação duradoura traz inúmeras consequências negativas, sendo a traição apenas uma delas.


Gostou do artigo?

Caso você tenha chegado à conclusão de que está pronta para se divorciar, encare isso apenas como mais um passo na sua jornada em busca da sua felicidade e realização pessoal.


Conte com o ND Escritório de Advocacia para te ajudar a atravessar o seu processo de divórcio de forma amigável, rápida e econômica.



 

Autoria


Meu nome é Nina Dourado, sou advogada e fundadora do ND Escritório de Advocacia, com sede em Lisboa, Portugal.


Meu escritório tem prática especializada em Direito das Famílias, Divórcio e Direito Migratório (cidadania portuguesa).

Eu sou também cientista social e pesquisadora.

Entre idas e vindas resido em Portugal desde 2017 e nesse período fundei o meu escritório de advocacia.

Em paralelo, desenvolvo pesquisa acadêmica sobre os temas casamento, divórcio e co-parentalidade com residência alternada.


Minha experiência como imigrante fez crescer também o meu interesse e entendimento sobre essa área do Direito.


Da mesma forma, o meu projeto pessoal de alcançar a independência financeira, em curso desde muito antes de eu me tornar advogada, fez com que eu me tornasse uma ávida consumidora de conteúdo sobre os finanças pessoais e investimentos financeiros, conhecimento que aplico ao âmbito do casamento, união de facto/união estável e divórcio.


São estes os interesses e conhecimentos permeiam a minha atuação profissional e que eu compartilho em formato de texto no site do meu escritório, o ND Escritório de Advocacia.

21 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo